NOVA LEGISLAÇÃO RECONHECE QUE FINANCIAMENTOS SÃO IMPAGÁVEIS E PERMITE RENEGOCIAÇÕES.

Isto mesmo, temos certeza de que muitos se surpreenderam  com a afirmação que dá titulo ao presente artigo, mas é uma premissa absolutamente verdadeira.

A lei 11.922/2009, trata do reconhecimento pelo Poder Público da insolvência dos contratos habitacionais celebrados no âmbito do Sistema Financeiro da  Habitação – SFH, regidos pelo Plano de Equivalência Salarial – PES, com saldos devedores reajustados pela poupança.

Há muito, centenas de milhares de mutuários já enfrentaram a realidade de perceber seus sonhos, transformarem-se em pesadelos.  A tão decantada facilidade para aquisição da Casa Própria, praticamente, de uma hora para outra, impõe a estes, antes entusiastas das inúmeras modalidades de financiamentos ofertadas em nosso mercado, a verdadeira obrigação de fazer valer seus direitos, através do Poder Judiciário, frente às gigantescas irregularidades que imperam nos pactos firmados.

Como esperar que contratos, cujas prestações devam ser corrigidas pelo mesmo índice que remunera os salários do trabalhador/mutuário, reajustado, com sorte, anualmente, acompanhe o ritmo dos aumentos mensais, impostos pela indexação à correção dos depósitos de Cadernetas de Poupança¿

Não haveria como obter resultado diverso do que efetivamente atingiu a milhares de contratos firmados no âmbito do SFH, qual seja, a absoluta impossibilidade de quitação dos mesmos.

Porém, agora, por descuido, ou sensatez, nossos legisladores acenaram com uma verdadeira tábua de salvação para estes tantos mutuários, ao menos aqueles com pactos firmados até o dia 05 (cinco) de Setembro de 2001, e que não dispunham ou perderam, o chamado Fundo de Compensação das Variações Salariais – FCVS, que representa uma espécie de seguro a quitar os saldos devedores, independente dos valores que representem, uma vez encerrado o prazo previsto no contrato. Melhor explicando:  contratos que dispunham da cobertura do FCVS, para serem quitados, necessitariam, exclusivamente, que os mutuários pagassem todas as parcelas, cobradas mensalmente, durante o prazo de vigência do contrato.

A supra citada lei, precisamente em seu artigo 4º.  acena com a possibilidade de solução para o impasse, denominado “desequilíbrio financeiro”, ocasionado pelo final do prazo contratualmente ajustado e o imenso saldo devedor ainda existente, e devido, por aqueles mutuários, cujos contratos não prevêem, ou perderam, o FCVS. 

 O citado art. 4º detém a seguinte didática sobre o termo “desequilíbrio financeiro”: Considerar-se-á em desequilíbrio financeiro, para efeito desta Lei, o contrato cujo valor da prestação de amortização e juros, na data da renegociação, atualizada desde a data do último reajuste contratual, com base nos mesmos índices de correção dos saldos devedores, for insuficiente para quitar o saldo devedor do financiamento, também atualizado até a data da renegociação, considerando-se a taxa de juros, o prazo remanescente da operação e o sistema de amortização pactuados em contrato.

Importante dizer que é direito do mutuário  renegociar o seu débito, eis que a Lei lhe dá esta prerrogativa, na inteligência do art. 3º parágrafo primeiro, do mesmo diploma legal., conforme se depreende da leitura de seu teor: “aos mutuários adimplentes ou não”; ”ao atual ocupante do imóvel, após a transferência para ele do respectivo contrato de financiamento, pela simples substituição de mutuário, mantidas as mesmas condições e obrigações do contrato em vigor, exceto quanto à cobertura do FCVS” e até mesmo “aos mutuários cujos contratos tenham sido objeto de execução já concluída com procedimento judicial que inviabilize a transferência ou a venda do imóvel”. Neste último, condicionando a desistência dos processos aforados pelos mesmos.

Concluímos, como não poderia deixar de ser, que os mutuários, cujos contratos tiveram termo no mês de Setembro do ano de 2001, dispõem hoje, de um embasamento legal, que lhes atribui o direito de renegociar suas dividas e seguir adiante com seus financiamentos, buscando, ainda que frente a outras irregularidades, levarem a termo suas responsabilidades, contratualmente definidas, mesmo, face a resistência daqueles que deveriam, ao contrário, estabelecer condições que lhes permitisse esta realização.

Categoria: Artigos



Nome (obrigatório)

Email (não será publicado) (obrigatório)

Sua mensagem:



Casa em Casa
Veja imóveis! Acesse Casa em Casa